Luiz de Mattos em sua época foi um espírito incansável, foi um bravo e duplamente abolicionista. Lutou pela liberdade do homem escravo do próprio homem. Mas também lutou pela liberdade do homem escravo dos dogmas escravagistas e grosseiros, liberando o pensamento do homem travado nas amarras do misticismo religioso, levando-o ao auto conhecimento de si próprio como Força e Matéria.

Corrente Fluídica - Livro Prática do Racionalismo Cristão - 13ª. Edição - 2010

Considerações preliminares

As reuniões espiritualistas são obrigatoriamente realizadas conforme a disciplina específica de cada uma delas.

Para facilitar o manuseio e a pronta localização, essas normas estão discriminadas por categorias de casas racionalistas cristãs: Casa-Chefe, filial e correspondente, respectivamente nos capítulos 10, 11 e 12 deste livro.
A corrente fluídica e a meia-corrente são formadas por integrantes indicados pelo presidente da Casa, que os escolherá entre os militantes que tiverem bom conhecimento da disciplina.

Para haver manifestações mediúnicas em reuniões públicas, a corrente fluídica deve estar formada obrigatoriamente com o mínimo de oito componentes, entre eles pelo menos dois médiuns, e, a meia-corrente, com o mínimo de três militantes.


Para haver desdobramentos e manifestações mediúnicas em reuniões de desdobramento, a corrente fluídica deve estar formada obrigatoriamente com o mínimo de oito componentes, entre eles pelo menos um médium. Como em reuniões de desdobramento não há meia-corrente, os integrantes desta devem completar a corrente fluídica quando houver lugares vagos à mesa.

As quantidades mínimas determinadas para a formação da corrente e da meia-corrente fluídicas são absolutamente necessárias, para que haja segurança física e psíquica dos seus componentes durante os trabalhos mediúnicos realizados na Casa-Chefe e nas filiais.

Assim formadas as correntes fluídicas e as meias-correntes, e mantidas pela ação do pensamento dos militantes que as compõem, estará assegurado o êxito das reuniões, pois o Astral Superior eliminará todas as más influências, quer partam de pessoas, quer de espíritos na atmosfera fluídica, assegurando a integridade física e psíquica de todos os presentes, tanto assistentes quanto militantes.

Além dessas duas correntes, outra, também fluídica, denominada rede fluídica, é formada pelo Astral Superior. Essa rede fluídica tem por finalidade conter em seu interior espíritos arrebatados da atmosfera fluídica da Terra através da ação das Forças Superiores nas reuniões públicas e nas de desdobramento, para serem encaminhados aos respectivos mundos de estágio espiritual. Essa dupla corrente é luminosa, e pode ser observada pelos médiuns videntes. O livro A vida fora da matéria mostra em gravuras esse fato com bastante clareza.

Para que as correntes fluídicas possam manter-se firmes, é preciso que o presidente não se perturbe e que cada um dos militantes que as compõem se conserve concentrado, sem o menor receio ou vacilação.

A perturbação do presidente é bastante para quebrar a corrente fluídica, assim como o sono ou o receio de qualquer dos médiuns, dos esteios e dos componentes da meia-corrente. Quebradas as correntes, o Astral Superior é obrigado a afastar-se, do que se aproveitam espíritos inferiores para apoderar-se rapidamente dos médiuns e provocar as desordens de que são capazes os obsessores.

Todavia, como o presidente é forte de ânimo e não perde a confiança em si e no Astral Superior, nem a consciência do papel e das responsabilidades que lhe foram confiados, o domínio do astral inferior é, além de momentâneo, limitado a um ou outro médium que não lhe opuser reação, já que o restabelecimento do apoio ao Astral Superior se faz rapidamente.

Correntes fluídicas seguras garantem o êxito das reuniões e possibilitam às Forças Superiores o encaminhamento, para os respectivos mundos de estágio espiritual, de todos os espíritos perturbados que a ela chegam, não mais retornando ao meio em que se encontravam, por mais perversos que sejam.

Caso ocorra pequena falha disciplinar por parte de militante, o presidente efetivo deve orientá-lo para que não mais a repita, em conversa reservada e cordial. Não deve ser motivo para afastamento sumário do militante dos trabalhos em nenhuma hipótese, o que demonstraria intolerância inaceitável do presidente.

Corrente fluídica

Entende-se por corrente fluídica o conjunto das vibrações do pensamento dos militantes, emitidas no mesmo sentido, animadas de um só querer: o de prestar serviços às Forças Superiores na ação de saneamento astral da Terra e de aperfeiçoamento espiritual da humanidade. São compostas pelo presidente, fecho, médiuns e esteios e formadas pelos organizadores astrais das correntes antes da realização de qualquer reunião espiritualista, salvo a de médiuns, e desfeitas logo após o seu encerramento.

As correntes fluídicas são organizadas em torno de uma mesa situada em sala própria, denominada sala das correntes fluídicas ou simplesmente sala das correntes, localizada em espaço contíguo ao estrado ou nele próprio, desde que reservado por cortinas opacas, quando a casa racionalista cristã é de pequeno porte.

Cabe exclusivamente à Casa-Chefe indicar para cada filial o respectivo presidente astral e os dois espíritos superiores que irão organizar suas correntes fluídicas.

É denominado primeiro organizador o espírito superior que escolhe os militantes que compõem a primeira corrente, através do médium sentado na cadeira do lado esquerdo junto ao presidente.

O outro, denominado segundo organizador, escolhe os militantes que compõem a segunda corrente, que é a definitiva, através do médium sentado na primeira cadeira do lado direito junto ao presidente.

Os componentes da segunda corrente fluídica organizada na sala das correntes deverão ocupar, antes do início das reuniões espiritualistas, as cadeiras à mesa do estrado nas mesmas posições determinadas pelo segundo organizador astral.

Os integrantes das correntes fluídicas podem, ou não, ser escolhidos pelos organizadores astrais das correntes. Os que não são escolhidos devem aguardar as determinações do presidente, para que ocupem cadeiras da assistência, do semicírculo ou mesmo da própria mesa, se ainda houver assentos vagos, depois que os componentes da corrente fluídica formada se posicionarem no estrado.

Todos os lugares ocupados por militantes são importantes para as Forças Superiores. Por isso, ninguém deve se melindrar ao não ser escolhido, mas se manter com pensamentos elevados, onde quer que esteja.

Meia-corrente fluídica

Nas reuniões públicas da Casa-Chefe e das filiais, a meia-corrente serve de ponto de apoio ao Astral Superior para ligação dos trabalhos mediúnicos que realiza à mesa do estrado com os que leva a efeito junto aos assistentes. A ação irradiadora da meia-corrente é equivalente à da corrente fluídica.

Nos correspondentes, é dispensada a formação da meia-corrente, por não haver trabalhos mediúnicos. Todavia, de igual forma como é feito na Casa-Chefe e nas filiais, o Astral Superior promove a limpeza psíquica do ambiente e de todos os participantes ─ assistentes e militantes ─ pela força irradiadora dos pensamentos elevados de que todos estão imbuídos.

A disposição das cadeiras do semicírculo não pode ultrapassar, sob qualquer pretexto, a metade de cada lado da mesa do estrado. Os espaços dos lados direito e esquerdo junto ao presidente devem ficar livres, para neles somente transitar os auxiliares de estrado.

Os componentes da meia-corrente se posicionam na parte central do semicírculo. Os assistentes encaminhados para o estrado completam o semicírculo, no sentido que vai dos componentes da meia-corrente para as extremidades, mulheres e homens em qualquer dos lados. Nas cadeiras junto às dos últimos assistentes ficam sentados de cada lado os auxiliares de estrado (cadeiras H), atentos ao desempenho de suas funções.

Ainda que no salão ou no semicírculo permaneça apenas um único assistente, é obrigatória a formação da meia-corrente com o mínimo de três militantes, mesmo que para completar esse número sejam transferidos para ela integrantes da mesa do estrado, desfalcando-a até o número mínimo de oito integrantes, o que, ainda assim, viabiliza a organização das correntes fluídicas na sala das correntes e possibilita manifestações mediúnicas no transcurso da reunião.

Esquema de posicionamento no estrado e no salão

Observações:

1. o esquema apresentado em seguida é um exemplo. O arranjo da mesa e das cadeiras deve ser adequado às dimensões do estrado, que não pode ter mais de doze centímetros de altura em relação ao piso do salão, evitando-se o uso de degrau. O semicírculo não pode ultrapassar o meio da mesa do estrado, precisando, contudo, abrigar cinco cadeiras no mínimo, sendo três para a meia-corrente e duas para os auxiliares de estrado, uma em cada extremidade. Nesse caso, não há cadeiras para assistentes, em razão da exigüidade de espaço;

2. o posicionamento de médiuns e esteios é definido pela corrente fluídica organizada na sala das correntes; e

3. os assistentes de primeira vez e os que frequentarem as três primeiras reuniões públicas têm prioridade na ocupação das cadeiras "I" do semicírculo.

A – mesa destinada à corrente fluídica
B – cadeira do presidente
C – cadeira do fecho
D – cadeiras de médiuns
E – cadeiras de esteios;
F – cadeiras de obsedados;
G – cadeiras da meia-corrente no semicírculo
H – cadeiras de auxiliares de estrado
I – cadeiras no semicírculo para assistentes específicos
J – cadeiras no salão para assistentes em geral

Fonte: Livro Prática do Racionalismo Cristão

Poderá gostar de conhecer: